foi assim que perdemos o amor próprio, o amor um pelo o outro. da tua parte nunca houve. mas ficas a saber que eu amei-te, e amei-te muito. ainda te amo. que fazer para nunca mais pensar em ti? não sei. não adiantam os bolos de chocolate, as noites de teatro, as margaritas, a luz que não se apaga na cabeceira. eras o meu amor, foste o meu amor. na realidade, do que tenho pena é de nunca teres sequer imaginado que todos os meus sonhos passavam por ti. que eu queria casar contigo. ter filhos contigo.

2 comentários:

Joana disse...

as fotos (L)

Diogo disse...

"(...) mas ficas a saber que eu amei-te, e amei-te muito. ainda te amo. que fazer para nunca mais pensar em ti? não sei.(...) eras o meu amor, foste o meu amor. na realidade, do que tenho pena é de nunca teres sequer imaginado que todos os meus sonhos passavam por ti. que eu queria casar contigo. ter filhos contigo."

É incrível, como te leio.
E revejo-me de uma forma que me deixa perplexo.

html code
Daily Specials